HOME    AGENDA    COLUNAS    GATAS    CONTRATE O SITE   CONTATO

Colunas

» Tatiane Alves
Tatiane Alves
Vai relatar sobre a vida noturna alheia de Chapecó.
Mande seu relado para: tatyrelatos@hotmail.com
+ artigos de Fatos & Relatos
Maycon Tormen
Automotivo
Maycon Tormen
Leonardo Radin
Chapecoense
Leonardo Radin
Felipe Vendruscolo e Francini C. Martins
Dra. Grasiela Bonfanti
Estética e Saúde Bucal
Dra. Grasiela Bonfanti
Felipe S. Machado Junior
Josi Vizzotto
Make Up
Josi Vizzotto
Douglas Foschiera
Música Sertaneja
Douglas Foschiera
Clic Notícias
Notícias
Clic Notícias
Ana Paula Bolis Bassani
Rock 'n' Roll Indie
Ana Paula Bolis Bassani
Pahola B. Cassol
Sustentabilidade no dia-a-dia
Pahola B. Cassol
Arthur Rogoski Gomes
Regiane Dalarosa
Tendências em Acessórios
Regiane Dalarosa

COMPORTAMENTO NA BALADA (26/09/2012)

COMPORTAMENTO NA BALADA
Todo mundo sabe que ultimamente as musicas com o tema, “as mina pira”, estão na boca da galera, nas rádios e nas baladas. As mais tocadas são: as minas pira (Fernando & Sorocaba), As mina Pira (Gustavo Lima), Tipo Fiona (Inimigos da HP), esta ultima, não tem exatamente o mesmo título, porém remete ao mesmo sentido. O qual as garotas bebem e perdem a noção e por aí vai. E algumas garotas realmente estão fazendo jus às letras dessas musicas. Sertanejo, pagode seja qual for o estilo.
Mas o que eu ainda não tinha visto, era as minas pirarem em uma balada de rock. Isso mesmo, na ultima sexta, dia 14/09, presenciamos uma mina muito doidona, dançando enlouquecida na frente do palco ao som do rock da banda cower do U2 e olha que o estilo das musicas nem são rock pesado.

Ficamos um tanto quanto confusas com as atitudes da garota, nos questionando se era a bebida, ou a porção GIGANTESCA de batatas fritas que ela estava comendo enquanto dançava seu “rock pesado”. Isso ocorreu por volta da 1h da manhã, imaginem então até as 4h, que é mais ou menos o horário que os baladeiros costumam ficar na festa. No ritmo que ela estava provavelmente ia acabar subindo no palco.
                Ninguém está aqui para julgar ninguém, até porque para isso teríamos que ser um exemplo de comportamento. Mas foi muito engraçada a forma como ela estava frenética, enlouquecida, dançando e comendo sem parar.
E chegamos à conclusão que não se deve comer tanta batata frita na balada, pois pode te tirar do controle hehehhehehehehheheheh
Então meninas..., bebida pode, batata frita, nem pensar. J
Deixando a brincadeira de lado, é muito perigoso abusar da bebida em festas, ainda mais se você não estiver perto de amigos ou conhecidos. Algum malandro pode estar observando do seu comportamento e tirar proveito da situação.
O programa da Ana Maria Braga apresentou um assunto interessante sobre mulheres que foram abusadas por terem exagerado no álcool, segue um trecho da matéria:
“Abuso sexual e álcool é uma das coisas que mais acontecem. Ele normalmente é negado. A menina tem vergonha do que aconteceu, ela não tem coragem de falar nem para as amigas, ela não tem orgulho do que aconteceu”, enfatizou ele.

O programa reuniu depoimentos de jovens que sofreram abuso sexual por causa da bebida. Uma delas tem 20 anos e já está na sétima internação. A outra, com 32 anos, contou que na primeira vez que bebeu, exagerou. A terceira, com 30 anos, falou que rapidamente ficou viciada, passando a procurar também por outras drogas.
                A revista Istoé trouxe outro assunto átona sobre o excesso de álcool, e este está virando moda entre as redes sociais, por isso meninas fiquem espertas.
Sábado à noite. Uma jovem de 20 e poucos anos vai para a balada e conhece um rapaz interessante. O clima esquenta, eles resolvem ir para um lugar mais íntimo e a noite acaba em relacionamento sexual. Para ambos, o encontro é divertimento de uma noite só. Mas o pior está por vir. Ele fotografa a parceira seminua e dormindo na mesma cama em que também está deitado, faz sinais e caretas jocosas, e posta na internet. Desde o início do mês, isso se transformou na mania “#bedofshame” (cama da vergonha, em inglês) no Twitter — embora vergonha é o que, lamentavelmente, esses parceiros não tenham. O hashtag — nome em inglês do símbolo # e que significa uma espécie de marcador que junta tudo o que é postado sobre determinado assunto em redes sociais — não para de crescer. O bizarro, para não dizer grosseiro, comportamento já ultrapassou o universo do microblog e tem até sites especializados em receber fotos do tipo.
Então garotas, cuidado ao exagerar na bebida, já pensaram se essa moda pega aqui no sul do mundo? Essa foi a dica para nenhuma gata aí cair em ciladas.
Espero que tenham gostado e aguardo seu e-mail com alguma história divertida. Lembrando que jamais iremos citar nomes e você pode mandar um e-mail com nomes fictícios.
Beijos a todos e até o próximo fato ou relato.                   

Postado em 26/09/2012 por Tatiane Alves
Clic-Chapeco.com.br - Todos os direitos reservados