HOME    AGENDA    COLUNAS    GATAS    CONTRATE O SITE   CONTATO

Colunas

» Pahola B. Cassol
Pahola B. Cassol
Acadêmica de Engenharia Ambiental e Diretora de Intercâmbios Socias da Aiesec Chapecó. Falará de sustentabilidade e dará dicas sobre como ter qualidade de vida sem prejudicar o meu ambiente.
pahola.cassol@aiesec.net
+ artigos de Sustentabilidade no dia-a-dia
Maycon Tormen
Automotivo
Maycon Tormen
Leonardo Radin
Chapecoense
Leonardo Radin
Felipe Vendruscolo e Francini C. Martins
Dra. Grasiela Bonfanti
Estética e Saúde Bucal
Dra. Grasiela Bonfanti
Tatiane Alves
Fatos & Relatos
Tatiane Alves
Felipe S. Machado Junior
Josi Vizzotto
Make Up
Josi Vizzotto
Douglas Foschiera
Música Sertaneja
Douglas Foschiera
Clic Notícias
Notícias
Clic Notícias
Ana Paula Bolis Bassani
Rock 'n' Roll Indie
Ana Paula Bolis Bassani
Arthur Rogoski Gomes
Regiane Dalarosa
Tendências em Acessórios
Regiane Dalarosa

QUANTO VALE UM SORRISO? (12/09/2012)

QUANTO VALE UM SORRISO?
 
 
‘A maioria dos alunos não comia nada durante todo o dia, muitos chegavam a ficar até 3 dias sem comer, só bebendo água.’’
 
A realidade que vive a população de Mathare, segunda maior favela de Nairóbi – no Quênia, é ainda abaixo da escassez. Cerca de 70% da população vive em favelas gigantescas, sem acesso a esgoto, eletricidade ou água encanada. Kibera e Mathare são as duas maiores, e o seu cenário pode ser comparado a um verdadeiro lixão a céu aberto.
Em meio a esse local, um grande disseminador de doenças, está uma pequena escola, que nada mais é que um galpão desprovido de iluminação, material escolar ou merenda. E é nesta escola informal, criada por um bispo, que 2 professores se dividiam para tentar repassar um pouco de conhecimento a 7 turmas.
Em 2011, Luiza Marcon viajou pela AIESEC para lecionar aulas e tentar mudar um pouco a realidade dessas crianças. Chocada com a situação do local, viu que deveria fazer algo a mais por àquelas crianças que não tem acesso às escolas públicas. ‘A questão da comida era o que mais me preocupava, pois a maioria dos alunos não comia nada durante todo o dia, muitos chegavam a ficar até 3 dias sem comer, só bebendo água.’’, enfatiza Luiza.
O Quênia é um lugar muito pobre e, portanto, difícil de arrecadar dinheiro. A saída era tentar algum auxílio com o Brasil. Luiza mobilizou familiares, amigos da AIESEC e conseguiu dinheiro para começar a mudar a vida daquelas crianças.
E assim nasceu o projeto 50 Sorrisos, que viabilizou a compra de novos quadros negros, uniforme, material escolar e o mais importante: comida para que as crianças pudessem almoçar todos os dias na escola. Os planos agora é a construção de uma escola nova para abrigar ainda mais crianças.  Quanto vale um sorriso? Pra gente, não tem preço.
 
‘O projeto tem 1 ano e além de todas as mudanças que fizemos na escola, levamos o mais importante: Esperança.’
 
 
Para ajudar a aumentar o números de sorrisos acesse 50sorrisos.com.
O valor é R$20,00 e o padrinho pode escolher o período do apadrinhamento.
 
 
Fan Pages:
www.facebook.com/50sorrisos
www.facebook.com/50Smiles



Por Eveline Borges - Atual Diretora de Comunicação da AIESEC Chapecó

Postado em 12/09/2012 por Pahola B. Cassol
Clic-Chapeco.com.br - Todos os direitos reservados